O Terapeuta Ocupacional pode ajudar CRIANÇAS!
Janeiro 22, 2017
A Alimentação e o Inverno!
Fevereiro 8, 2017

Depressão

As Perturbações Depressivas, comummente chamadas de “depressão”, são transtornos que acometem a todas as idades, podendo estar presentes em crianças, adolescentes, adultos e idosos.
É bom ter presente que uma depressão não é simplesmente uma tristeza ou melancolia passageira. Por vezes dizemos que estamos “deprimidos”, banalizando a doença e não tendo, verdadeiramente, a noção daquilo que a mesmaacarreta nas várias áreas da vida humana (família e amigos, amor, profissão, saúde e bem-estar, lazer, metas, entre outras).
Têm como característica habitual e de acordo com o DSM V, “a presença de humor triste, vazio ou irritável, acompanhado de alterações somáticas e cognitivas que afetam significativamente a capacidade de funcionamento do indivíduo.” De entre as existentes, a mais conhecida é a perturbação depressiva major.


Os principais sintomas são:
1. Humor deprimido na maior parte do dia, quase todos os dias (p. ex., sente-se triste, vazio, sem esperança; Nota: Em crianças e adolescentes, pode ser humor irritável.);
2. Acentuada diminuição do interesse ou prazer em todas ou quase todas as atividades na maior parte do dia, quase todos os dias;
3. Perda ou ganho significativo de peso sem fazer dieta ou redução ou aumento do apetite quase todos os dias;
4. Insónia ou hipersónia quase todos os dias;
5. Agitação ou lentidão psicomotora quase todos os dias;
6. Fadiga ou perda de energia quase todos os dias;
7. Sentimentos de inutilidade ou culpa excessiva ou inapropriada quase todos os dias;
8. Capacidade diminuída para pensar ou se concentrar, ou indecisão, quase todos os dias;
9. Pensamentos recorrentes de morte (não somente medo de morrer), ideação suicida.
Uma vez que estes sintomas causam sofrimento clinicamente significativo ou prejuízo no funcionamento social, profissional ou em outras áreas importantes da vida do indivíduo, é importante procurar ajuda de um profissional de saúde mental. Por vezes negamos aos outros e até a nós próprios estes sintomas, mas um psicólogo poderá ajudar a encontrar uma saída.
Ana Silvestre, Psicóloga